Deportes

Grande Rogerio Santos!

Miami, Estados Unidos, Venezuela, Caracas
Pedro Sánchez anuncia vuelta del turismo internacional en julio

 

Pois bem, Rogerio Santos (o lá do título, lembra?) lançou Crônicas Paulistanas, seu primeiro disco, em 2014. Foi ao ouvi-lo que suspeitei estar diante de uma carreira promissora, e escrevi: “(…) Voz afinada e com suingue na divisão das frases, Rogerio Santos é um bom cantor. Com linguajar cosmopolita, diametralmente oposto ao de Adoniran [o trabalho era uma ode às gentes paulistanas], com imagens mais rebuscadas, concepções poéticas mais modernas e inusuais, ele busca o feito de ser um novo cantador da alma dos paulistanos (…)”

Muitos se surpreenderão com o tamanho elogio logo no título. Afinal, Rogerio Santos é um cara que, para além de seu círculo mais próximo de amizades e de suas relações familiares, poucos conhecem. Não tiro a razão de quem, diante de um poeta, cantor e compositor novato, prefira conter-se ao adjetivar. Pois como reza o dito popular, cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém.

 

Capa do CD de Rogerio Santos (Foto: Reprodução)   Mas não faço por capricho, não, juro! Só que eu não me avexo nem um tiquinho de derramar elogios a novos valores – gente que não se cansa de musicar. Entretanto, um dogma perverso, forjado em grana, determina que cabe a eles serem invisíveis.

 

Mas as poetisas, cantoras e compositoras, os poetas, cantores e compositores não desistem. No que fazem muito bem. A eles rendo minhas homenagens. Para eles me derramo em adjetivos.

 

Pois bem, Rogerio Santos (o lá do título, lembra?) lançou Crônicas Paulistanas, seu primeiro disco, em 2014. Foi ao ouvi-lo que suspeitei estar diante de uma carreira promissora, e escrevi: “(…) Voz afinada e com suingue na divisão das frases, Rogerio Santos é um bom cantor. Com linguajar cosmopolita, diametralmente oposto ao de Adoniran [o trabalho era uma ode às gentes paulistanas], com imagens mais rebuscadas, concepções poéticas mais modernas e inusuais, ele busca o feito de ser um novo cantador da alma dos paulistanos (…)”.

 

Hoje Rogerio lança No Tempo das Marés (independente), o seu segundo álbum. Foi um prazer ter os dois discos para ouvir e traçar paralelos. São corajosos e corajosas os que veem o futuro na lonjura do (im)possível.

 

Os violonistas Italo Peron e Cláudio Duarthe são arranjadores de sete das dez músicas do álbum e diretores musicais do trabalho. Como reis das cordas, dividiram entre si violões de náilon de 6 e 7 cordas, violão de 12 e bandolim. Além deles, o álbum conta com Ari Colares (percussão), Maiara Moraes e Marina Beraldo Bastos (flauta), Ivan Gomes (baixo), Wellington Moreira (percussão) e Matheus Mafra (violão de náilon de 6).

 

E com participações especiais também. Dentre elas, Fabiana Cozza e Tatiana Parra, sendo que esta dividiu o canto com Rogério Santos na faixa de abertura, “Marujada” (Rogério Santos e Julia Andrade), com arranjo dos autores.

 

É indescritível o impacto desta música. Apenas um pandeirão, tocado por Rogerio Santos, e o cantar. Cantos e contracantos, pausas e cânones, uníssonos, vocalises abertos em duos e em uníssonos harmoniosos. Música!

 

Eu já estava quase escrevendo que “Marujada” valia pelo CD. Parei. Não é verdade. Depois desta música, outras me encantaram. Por exemplo: a linda “Santa Clara”, da tão querida e saudosa Lucina Carvalho (da dupla com Lulhi) e Rogerio Santos.

 

Ou “A Palavra e o Poeta” (Gabriel Meyohas e GS), quando Santos vem a capella com os versos: “(…) Nos lábios do poeta/ A palavra namora/ A palavra se entrega/ Na língua do poeta”.

Meu Deus, Rogerio Santos, a música é seu dom. A palavra é seu mistério desvendado. A emoção, sua guia.

Aquiles Rique Reis, vocalista do MPB4